Sentimento de insegurança

Quinta, 16 Julho 2015 18:22
Avalie este item
(2 votos)

Furtos em áreas comuns de condomínios perturbam síndicos

Os síndicos estão extremamente preocupados com a explosão de furtos nos condomínios e precisam do apoio dos moradores para combater este crime, que gera prejuízos e sensação de impotência e insegurança.

A situação é mais grave em prédios novos e de grande porte, com fluxo grande de moradores e visitantes, além de prestadores de serviços.


Além do furto de objetos pessoais, tais como bicicletas e celulares, assusta o crescimento do furto de itens das áreas comuns, tais como bicos de mangueira de incêndio, fiação e objetos de decoração.

Por exemplo, em um condomínio recém inaugurado, com seis torres e quase 700 apartamentos, existem 83 obras em andamento. Lá, circulam mais de 350 funcionários das obras todos os dia, sem contar entregadores e instaladores. A fiscalização deste batalhão é impossível.

Diante dos constantes furtos e depredações, o condomínio fará uma pesada arrecadação extraordinária para contratar mais postos de segurança e instalar mais câmeras.

No condomínio-clube em que meus filhos moram, foi inaugurada uma pista de skate, que virou febre entre os jovens. Em uma semana, meu filho de viu desaparecer um moletom seu num dia e noutro teve a mochila revirada, faltando-lhe o celular e o fone de ouvido. O síndico teve de proibir a entrada de visitantes e investirá em câmeras.

Em outro edifício, com dez anos de funcionamento, todas os bicos das mangueiras de incêndio sumiram. Imediatamente o material foi reposto, a um custo total de R$ 8.000. Dias depois, quase tudo foi novamente furtado.

Além do prejuízo financeiro, preocupa a questão de segurança em caso de incêndio.

A polícia dificilmente consegue ajudar nos casos de furtos em condomínios, e os boletins de ocorrência acabam engavetados. Não há como acusar ninguém sem provas e os bandidos podem ser os próprios moradores, seus empregados, prestadores de serviços ou visitantes.

Assim, o segredo é contar com a atenção e cooperação de todos os moradores, que devem debater o tema com seus familiares e funcionários, já que a solução não depende apenas de câmeras e sistemas de segurança, mas sim de conscientização e atenção redobrada.


(*) Advogado, graduado pela PUC-SP, pós-graduado em direito contratual pelo CEUSP, especialista em condomínios, comentarista da Rádio CBN - Programa “Condomínio Legal”, membro da equipe “Chame o Síndico” do Fantástico da Rede Globo, autor do áudio-livro “Tudo Que Você Precisa Ouvir Sobre Condomínios” – Editora Saraiva, membro da Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB-SP; membro do Comitê Jurídico da AABIC (Associação das Administradoras de Bens, Imóveis e Condomínios de São Paulo), Presidente da Assosíndicos – Associação dos Síndicos do Estado de São Paulo, Coordenador do curso “Temas Jurídicos Aplicados aos Condomínios”, da Escola Superior de Direito Constitucional; colunista do jornal Carta Forense; colaborador e colunista do Jornal do Síndico; colunista da revista “Em Condomínios”; Colaborador do Caderno de Imóveis da Folha de São Paulo; colunista do “Guia Qual Imóvel”, Palestrante e Conferencista.
O SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo formal das informações jurídicas, matérias, modelos, orientações e/ou sugestões apresentados nesta página, os quais servem apenas como referência para eventuais dúvidas de nossos leitores e usuários. O SíndicoNet sugere, em caso de dúvidas, a contratação de um profissional da área jurídica e/ou a consulta à Ordem dos Advogados

Fonte: SindicoNet

 

Lido 601 vezes

Vodel no Facebook

  vodel@vodel.com.br  I   (11)  9 8211 7906 I Curta nossa FanPage